• Papo reto: o que queremos?

    Confira algumas de nossas propostas para mudar São Paulo!

    • Renda Solidária de ao menos um salário mínimo para os paulistanos
    • Ampliação da rede municipal de acolhimento das vítimas de violência doméstica e de gênero
    • Política de valorização do rap, do hip hop, do funk, do slam das rodas de rima e de samba e do carnaval de rua. Valorização da cultura, principalmente a das quebradas de #SãoPaulo
    • Tarifa zero nos transportes públicos
    • Plano de intervenção para promoção e prevenção de saúde mental na rede de ensino, contratados para as secretarias regionais de ensino profissionais de saúde, cujo trabalho deva ser elaborar, em conjunto com a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) e orgãos de vigilância
    • Ampliação da rede de wifi grátis
    • Reformulação da GCM

     

    • Ampliar a rede de transporte público de qualidade, movido à combustível que não seja fóssil, diminuindo assim as ilhas de calor e a poluição do ar
    • Investir em áreas verdes na cidade, especialmente nas periferias
    • Garantir o fornecimento ininterrupto de água na rede e enviar caminhões pipa para as áreas em que não há água encanada.

    • Rever o contrato do município com a Sabesp para garantir a segurança hídrica da população de São Paulo, independente de áreas regularizadas ou não
    • Combater as máfias dos lixões ampliando a coleta seletiva de lixo em toda a cidade, em parceria com as cooperativas de catadores que já existem e oferecendo um maior suporte do poder público

    Para os trabalhadores “uberizados”:

    • Desenvolvimento de empresas públicas municipais que propiciem trabalhos intermediados por plataformas (“uberizados”) e que respeitem os direitos trabalhistas
    • Promover o cooperativismo de plataforma por meio de investimentos diretos, incentivos fiscais e apoio às pesquisas científicas e a promoção de eventos e parcerias com universidades

    Para os servidores públicos e os serviços públicos:

    • Fim da terceirização nos serviços públicos, como a praticada via Organizações Sociais
    • Promoção de legislação a fim de garantir a equiparação salarial entre servidores e servidoras públicos municipais de São Paulo
    • Ampliar a licença paternidade dos servidores públicos do município de São Paulo para, no mínimo, 30 dias
    • Garantia de cotas raciais nos concursos públicos municipais
    • Revogação imediata da reforma da previdência municipal
    • Pagamento de reajuste salarial para os servidores municipais que, no mínimo, reponha as perdas inflacionárias do período.

    Combate ao machismo, racismo e assédio no trabalho

    • Fortalecimento de órgãos institucionais de fiscalização e acompanhamento de denúncias de casos de assédio sexual e moral e descriminação racial em empresas e no serviço público.
    • Organizar uma lista pública (suja) das empresas que comprovadamente adotam ou legitimam práticas de assédios e/ou comportamentos machistas, misóginos, patriarcais e racistas
    • Criação de equipamentos públicos visando coletivizar o trabalho doméstico, como refeitórios e lavanderias públicas, populares e coletivas.
    • O fomento de campanhas públicas visando incentivar a redução da jornada de trabalho para homens e mulheres e a divisão do trabalho doméstico de forma equânime.